Anuncio

Colapsar
No hay anuncio todavía.

Fuerza Aérea de Brasil

Colapsar
X
 
  • Filtrar
  • Tiempo
  • Mostrar
Limpiar Todo
nuevos mensajes

  • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

    Muchas gracias Teo!!!

    Comentario


    • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

      Don Teo. Un lujo, gracias por desasnarme.
      Un abrazo amigo!!!
      "Nuc minerva, postea palas"

      Comentario


      • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

        Teo: haciendo uso y abuso de tus conocimientos, estamos hablando del sistema FITS con el radar Ocean Master o con el Elta...???

        Comentario


        • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

          Originalmente publicado por Growler Ver Mensaje
          Teo: haciendo uso y abuso de tus conocimientos, estamos hablando del sistema FITS con el radar Ocean Master o con el Elta...???
          Desconozco si EADS a fabricado algun Persuader o P-3, con el israelí ELTA, pero lo lógico es que lo ofrezcan con sus productos ( Radar Basics). Aunque como la publicidad te lo dice lo fabrican a gusto del cliente.
          El sistema FITS permite el uso de sensores específicos al gusto del cliente, dependiendo de la misión a usar. Una configuración del FITS típica tendría un radar de búsqueda ISAR/SAR, un interrogador IFF, un ESM/ELINT, una cámara de TV con visor FLIR, subsistema acústico, sistema de datos Link-11, cuatro consolas de operador para TACCO, sensores acústicos, Nav/Com y sensores no acústicos etc.
          El C-295 tiene controles dobles para piloto y copiloto. Está equipado con un avanzado sistema integrado de aviónica HIAS (siglas en inglés de Highly Integrated Avionics System) basado en el sistema Topdeck totalmente digital de la compañía Sextant Avionique (actual Thales Avionics desde 2001).
          Las pantallas, que incluyen cuatro LCD de 6” × 8” (152 mm × 203 mm) en color, son compatibles con el uso de gafas de visión nocturna. Al usar tecnología dual civil/militar también puede operarse según las normas civiles en vigor. También se pueden instalar opcionalmente dos HUD. El avión posee un Sistema Integrado de Datos de Motor y Avisos o IEDS (siglas en inglés de Integrated Engine Data System), el cual gestiona los parámetros de la planta motriz y combustible y puede presentar los fallos en dos pantallas LCD, además de información y monitorización del estado de los motores, lo que aumenta su vida operativa.
          El radar meteorológico en color es un Honeywell RDR-1400C, aunque los ejemplares portugueses llevan en su lugar un Northrop Grumman AN/APN-241, en un radomo más abultado.
          Alertador de radar RWR (Radar Warning Receiver) Indra ALR-300V2B.
          Dispensadores de señuelos BAE Systems ANALE-47. Este sistema incluye lanzadores de bengalas contra sistemas de seguimiento por infrarrojos, y lanzadores de dipolos antirradar o chaff.

          http://www.eads.net/xml/content/OF00.../64/677649.pdf
          Editado por última vez por Teodofredo; https://www.aviacionargentina.net/foros/member/358-teodofredo en 01/05/09, 16:42:59.

          Comentario


          • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

            Nuevamente. Un lujo lo suyo amigo Teo!!!
            "Nuc minerva, postea palas"

            Comentario


            • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

              Valor:

              Parceria de capital nacional cria a Novaer


              Virgínia Silveira


              A Novaer Craft, um consórcio formado pelas empresas Flight Technologies, Winnstal e Geometra, é a mais nova indústria aeronáutica brasileira, criada para atender o segmento de aviação geral. O primeiro produto dessa nova empresa, o avião T-Xc, foi desenhado por Joseph Kovacs, o projetista da aeronave Tucano e do T-25 Universal, da Embraer.

              O modelo de demonstração de conceito da nova aeronave, que terá uma versão militar de treinamento primário e outra executiva, já foi testado em vôo. O próximo passo é o desenvolvimento do protótipo, que será financiado com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A versão militar, batizada de T-Xc Pilgrin, está sendo feita com o objetivo de se tornar uma alternativa competitiva de substituição da atual frota das aeronaves T-25 Universal, utilizadas há mais de 40 anos no treinamento primário dos cadetes da Academia da Força aérea Brasileira (AFA), em Pirassununga (SP).

              Desenvolvido na década de 60, o T-25 já vem mostrando problemas operacionais que limitam seus vôos, além da falta de peças de reposição. A FAB tem 87 aeronaves T-25 em sua frota. Já a versão civil do T-Xc, batizada de Stardream, foi desenvolvida para competir no mercado dos utilitários de transporte e seu maior rival é o modelo americano Cirrus SR 22, monomotor a pistão, que em 2007 vendeu 700 unidades, ao preço médio de US$ 600 mil cada.

              Na primeira fase de desenvolvimento da aeronave, segundo um dos diretores da Novaer, Luiz Paulo Junqueira, o investimento previsto é de R$ 12 milhões, valor que será dividido entre a Finep e as sócias da Novaer. A segunda fase do projeto, que é a certificação do produto e a terceira, envolvendo a industrialização propriamente dita, devem demandar recursos totais de R$ 38 milhões. Este valor, no entanto, ainda não foi viabilizado.

              Baseado no protótipo K-51 Peregrino, desenvolvido por Kovács, o T-Xc, será totalmente concebido em fibra de carbono, material termoplástico muito mais leve e resistente que o alumínio aeronáutico, além de ser imune à corrosão. "O peso vazio do T-25, por exemplo, é de 1.150 quilos, enquanto que o treinador Pilgrin terá cerca de 870 quilos". A aeronave voará com motor a pistão e, no caso da versão civil, com uma altitude de 32 mil pés e a vantagem de ser pressurizado.

              A Embraer não atua nesse segmento de mercado e o único modelo da empresa com motor a pistão é o Ipanema, empregado na aviação agrícola. A empresa, embora já tenha manifestado interesse em aumentar a participação do material composto em suas aeronaves, utiliza hoje essa tecnologia principalmente nas carenagens dos jatos e, em alguns casos, nas superfícies de comando, que inclui os flaps e aileron.

              "Os novos modelos da Boeing (787) e Airbus (A.350) tem aproximadamente 70% de material composto. A principal vantagem desse material é que ele permite um custo operacional mais baixo para a aeronave, porque é mais leve e consome menos combustível". Outro projeto desenvolvido pela Geometra na área de material composto já conta inclusive com recursos subvencionados pela Finep. Trata-se de uma roda aeronáutica feita em fibra de carbono, que alivia em 30% o peso da roda da aeronave. O projeto está avaliado em R$ 1,4 milhão e a Finep financiou 60% desse valor.

              A versão civil Stardream, também terá no mercado um competidor italiano, com o modelo SF 260, produzido pela Aermacchi e pelo alemão Grob. "O avião italiano, apesar de ter sido modernizado recentemente, foi concebido na década de 60. O alemão é um pouco mais moderno, mas também já está há mais de 20 anos em operação", disse. Outra vantagem do modelo brasileiro, segundo Nei Brasil, diretor da Flight Technologies, é que ele tem um risco tecnológico baixo devido ao fato da sua performance já ter sido comprovada em vôo. "Vamos empregar a mesma aerodinâmica e os mesmos conceitos de vôo. Não estamos partindo do zero".

              A Novaer ainda não definiu o preço do novo avião, mas, segundo Junqueira, deve praticar uma política com valor até 10% mais barata em relação ao que se cobra no mercado. Um avião nessa categoria custa ao redor de US$ 550 mil.

              Segundo Junqueira, a Novaer vai preencher um vácuo que existe hoje no mercado de aviação geral no Brasil. Além da Embraer - empresa de grande porte -, as únicas indústrias fabricantes de aeronaves brasileiras são a Helibrás (helicópteros) e a gaúcha Aeromot (planador e motoplanador). "A criação da Novaer viabiliza outra cadeia aeronáutica no país, com novas opções de fornecimento, o que contribui para a manutenção das indústrias do setor, hoje altamente dependentes da Embraer".

              Na estrutura organizacional da Novaer, cada empresa consorciada terá uma função estratégica. No projeto do T-XcC, por exemplo, a Winnstall ficará responsável por toda a parte de fabricação, incluindo montagem e ferramental; a Geometra fará o projeto de engenharia dos novos aviões, a gestão e o processo de certificação das aeronaves. A Flight Technologies desenvolve uma nova geração de instrumentos de vôo para o T-Xc, com displays integrados a vários sistemas aviônicos. Criada há três anos, esta empresa é a única 100% brasileira na área de aviônicos integrados (sistemas eletroeletrônicos utilizados para o controle da aeronave).

              Além da Flight, a Aeroeletrônica, de Porto Alegre, também atua na área de aviônicos, mas é controlada por capital israelense e atualmente fornece o programa de modernização de quase todas os jatos da FAB. A Flight, segundo Nei Brasil, tem a alemã Becker Avionics como parceira comercial no exterior e fornecedora de componentes dos sistemas de rádios de navegação e comunicação do T-Xc. A Becker fatura US$ 80 milhões e atua há 50 anos nesse mercado.
              Quando chegar a hora de substituir os T-25 veremos uma interessante e rara disputa interna dos pequenos fabricantes de aviões brasileiros..... Guri X Pelegrino X Guara X ????

              Comentario


              • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                Finalmente os veteranos 737-200 vão para o descanço merecido após longos anos em serviço !!!!
                Este é o mesmo modelo que a presidenta CFK estava negociando para substituição do Tango 01.
                Quem sabe agora ela se anima !
                Abraço a todos


                Primeiras fotos do EMB-190 da Presidência da República

                Por Defesa Brasil
                22 de Maio de 2009


                O primeiro dos dois novos EMB-190 adquiridos pelo governo brasileiro já está quase pronto para ser entregue. Adquiridas em junho de 2008, as aeronaves serão configuradas especialmente o transporte de autoridades e serão operadas pelo Grupo de Transporte Especial (GTE) da Força Aérea Brasileira (FAB), que serve à Presidência da República, ministérios, secretarias da Presidência, autoridades dos poderes legislativo e judiciário.

                As aeronaves são configuradas com sistemas especiais de comunicação, visando um nível máximo de segurança, além de uma área privativa para o Presidente da República, incluindo espaço para reuniões. Têm, ainda, capacidade para transportar cerca de 40 passageiros com um alcance que abrange toda a América do Sul, a partir de Brasília, oferecendo, assim, grande flexibilidade operacional para as missões às quais se destinam.



                A FAB já opera outros modelos de aeronaves de transporte de fabricação Embraer, como o ERJ 145, o Legacy 600 e o EMB 120 Brasilia. Além dessas, também integram a frota aeronaves militares de projeto e fabricação nacional, como o AMX, Tucano, Super Tucano e os aviões de inteligência, vigilância e reconhecimento (Intelligence, Surveillance and Reconnaissance – ISR) operados no âmbito do Sistema de Vigilância da Amazônia (SIVAM).

                Fonte:Defesa Brasil - Primeiras fotos do EMB-190 da Presidência da República

                Comentario


                • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                  30/05/2009 - 22:39

                  Embraer formaliza entrega de protocolo de comunicação de dados ao comando da Aeronáutica do Brasil
                  Sistema Link-BR2 possibilita intercâmbio tático de dados durante operações.

                  São José dos Campos– A Embraer concluiu a entrega do protocolo a ser empregado no sistema de enlace de dados em rede denominado Link-BR2 para o Comando da Aeronáutica do Brasil. Desenvolvido pela Embraer, com total interação com a Comissão de Implantação do Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) do Comando da Aeronáutica, após assinatura de um contrato em 2006, este protocolo permitirá a viabilização de um moderno sistema de intercâmbio de dados durante operações da Força Aérea Brasileira (FAB), podendo também ser adequado para interoperabilidade com a Marinha do Brasil e o Exército Brasileiro, em operações conjuntas.

                  “Estamos muito satisfeitos em ter participado desse importante projeto do Comando da Aeronáutica”, disse Orlando José Ferreira Neto, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Defesa. “Este produto permitirá que o sistema Link-BR2 se torne uma realidade operacional, dotando a FAB de um protocolo de enlace de dados de alta qualidade, equiparável aos mais modernos protocolos de sistemas táticos de conexão em rede utilizados no mundo.”

                  Nos últimos anos, a Embraer tem investido no desenvolvimento de softwares embarcados para aeronaves de combate, de modo a fornecer não somente as plataformas dos aviões, mas também serviços de integração dos sistemas de sensores e de missão. Dentre os projetos mais recentes, destacam-se o da aeronave Super Tucano, a modernização dos jatos F-5 e A-1 (AMX) da FAB e a família de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (Intelligence, Surveillance and Reconnaissance – ISR).

                  A Empresa também oferece soluções em solo para o segmento de Comunicação, Computação, Comando, Controle e Inteligência (C4I) e atua na área de treinamento, tendo desenvolvido o Sistema de Apoio para Treinamento Operacional (Training Operational Support System – TOSS) para o Super Tucano, uma ferramenta computacional integrada composta por quatro sistemas: o CBT (Computer Based Training), treinamento computadorizado que melhora o aprendizado dos pilotos; o FS (Flight Simulator), simulador de vôo; o MPS (Mission Planning Stations), para planejamento de missões de navegação e ataque; e o MDS (Mission Debriefing Station), para análise dos dados e resultados das missões realizadas.

                  Comentario


                  • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                    Link-BR2 para el Comando de la Aeronáutica de Brasil


                    Brasilia - La compañía aeronáutica Embraer concluyó la entrega del protocolo que se empleará en el sistema de enlace de datos en red denominado Link-BR2 para el Comando de la Aeronáutica de Brasil de acuerdo con el contrato firmado en 2006.

                    Con total interacción con la Comisión de Implantación del Sistema de Control del Espacio Aéreo (CISCEA) del Comando de la Aeronáutica, este protocolo permitirá hacer viable un moderno sistema de intercambio de datos durante operaciones de la Fuerza Aérea Brasileña (FAB) y puede también ser adecuado operaciones conjuntas con la Marina y el Ejército de Tierra.

                    "Estamos muy satisfechos en haber participado en ese importante proyecto del Comando de la Aeronáutica", dijo Orlando José Ferreira Neto, Vicepresidente Ejecutivo de Embraer para el Mercado de Defensa. "Este producto permitirá que el sistema Link-BR2 sea una realidad operativa, dotando a la FAB de un protocolo de enlace de datos de alta calidad, equiparable a los más modernos protocolos de sistemas tácticos de conexión en red utilizados en el mundo".


                    En los últimos años, Embraer ha invertido en el desarrollo de softwares embarcados para aeronaves de combate, de modo a suministrar no solamente las plataformas de los aviones, sino también servicios de integración de los sistemas de sensores y de misión. Entre los proyectos más recientes, se destacan la aeronave Super Tucano, la modernización de los cazas F-5 y A-1 (AMX) de la FAB y la familia de Inteligencia, Vigilancia y Reconocimiento (Intelligence, Surveillance and Reconnaissance - ISR).

                    La compañía brasileña también ofrece soluciones en tierra para el segmento de Comunicación, Computación, Comando, Control e Inteligencia (C4I) y actúa en el área de entrenamiento, habiendo desarrollado el Sistema de Apoyo para Entrenamiento Operativo (Training Operational Support System - TOSS) para el Super Tucano, una herramienta computacional integrada compuesta por cuatro sistemas: el CBT (Computer-Based Training), entrenamiento computadorizado que mejora el aprendizaje de los pilotos; el FS (Flight Simulator), simulador de vuelo; el MPS (Mission Planning Stations), para planificación de misiones de navegación y ataque; y el MDS (Mission Debriefing Station), para análisis de los datos y resultados de las misiones realizadas.

                    Infodefensa.

                    Comentario


                    • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                      Aprovados Recursos para o KC-390 e EC-725


                      A Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou o projeto de lei do Congresso Nacional que concede crédito especial no valor de R$ 305 milhões ao Ministério da Defesa (PLN 14/09).Do total dos recursos previstos, R$ 105 milhões serão investidos pela Empresa Brasileira de Aeronáutica S. A. (Embraer) no desenvolvimento de um cargueiro militar, denominado KC-X 390, com capacidade de até 20 toneladas, para uso da Força Aérea Brasileira (FAB). A outra parte da verba será usada como pagamento de parcela de adiantamento relativo ao contrato firmado entre Brasil e França para a produção e aquisição de 50 helicópteros franceses de médio porte, para emprego geral das Forças Armadas. O valor total da compra dos helicópteros será de R$ 5,9 bilhões.

                      Luz verde para ambos proyectos

                      Fuente: defesanet

                      Comentario


                      • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                        Pregunto por que en el link BR2 no se menciona la posibilidad de integrar a el M-2000 ya que todabia le quedan unos años mas en la FAB
                        saludos
                        "Hay que pensar en el futuro no en zafar del presente"
                        Krull forista y Argentino

                        Comentario


                        • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                          Segun parece la FAB no lo tiene mucho en cuenta al Mirage 2000 ya que va a ser el primero en irse de baja ni bien lleguen los aviones del FX-2,5 ... no se si se justifica gastar plata, o para algunos, mas plata que la que ya se gasta en volarlos?

                          Comentario


                          • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                            Aviónica para el A-1M?, si en el 2014 se desprograma por la llegada del ganador del F-X2.
                            no entiendo.

                            Comentario


                            • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                              Originalmente publicado por flaps Ver Mensaje
                              Aviónica para el A-1M?, si en el 2014 se desprograma por la llegada del ganador del F-X2.
                              no entiendo.

                              -La FAB recibirá un primer lote de (36) Cazas FX-2, esos son los que se
                              comenzaran a recibir en el 2014 y vendrían a sustituir a los M-2000

                              -Los lotes posteriores del FX-2, ya construidos en Brasil, vendrán a
                              sustituir a los F-5M y por ultimo a los A-1M que recién serán modernizados
                              ahora, la baja de los AMX esta previsto halla por el 2030




                              Saludosss

                              Comentario


                              • Respuesta: Fuerza Aérea de Brasil

                                Originalmente publicado por Guitro01 Ver Mensaje
                                A outra parte da verba será usada como pagamento de parcela de adiantamento relativo ao contrato firmado entre Brasil e França para a produção e aquisição de 50 helicópteros franceses de médio porte, para emprego geral das Forças Armadas. O valor total da compra dos helicópteros será de R$ 5,9 bilhões.
                                3.000 millones de dolares para 50 helos = 60 palos cada bicho!

                                no sera mucho?


                                Comentario

                                Trabajando...
                                X